O que o ilusionismo pode nos ensinar sobre o nosso cérebro

Ilusionistas contam quais são os pontos da nossa mente que são mais explorados pelos mágicos quando preparam uma apresentação

Ver uma bolinha desaparecendo no ar é uma sensação incrível. Pode até ser que alguém pense que os mágicos têm superpoderes, mas, na verdade, sua principal habilidade é trabalhar com a nossa mente. A neurociência e o ilusionismo sempre estiveram de mãos dadas para criar experiências diferentes, que levem as pessoas a acreditarem que o impossível é uma ilusão ou apenas uma questão de percepção.

Para Klauss Durães e Henry Vargas, fundadores da Ilusion, empresa especializada na criação de efeitos mágicos personalizados para eventos corporativos, o ilusionismo pode ser essencial para entendermos como o nosso cérebro funciona. Os ilusionistas contam quais são os pontos mais explorados pelos mágicos, quando preparam uma apresentação. Confira!

Você confia na sua visão?

“Eu só acredito vendo.” Quem nunca se deparou com essa frase? Muitas vezes, acreditamos que a nossa visão é um dos sentidos mais confiáveis e por isso, temos nossos pensamentos e comportamentos muito influenciados por ela. No entanto, as experiências visuais não são tão verídicas, assim, e é relativamente fácil de distorcê-las.

Após carreira internacional, os ilusionistas Klauss Durães e Henry Vargas fundaram a Ilusion (Crédito: Iago Fundaro) 

Os ilusionistas trabalham com técnicas fascinantes para manipular a atenção do público. Uma de suas estratégias mais poderosas é o olhar fixo. As pessoas tendem a seguir o olhar dos outros. Então, se o mágico quer direcionar a atenção do seu público para uma parede, por exemplo, ele vai olhar nesta direção. Nós trabalhamos diretamente com atenção das pessoas. É possível desviá-la na hora crucial para que a mágica ocorra”, diz Henry. E nesse momento, por exemplo, que um objeto, aparentemente visível, pode “desaparecer”.

O controle da atenção é um elemento muito usado pelos ilusionistas. Imagine fazer todo dia o mesmo caminho para ir para casa. Pode ser que cada dia você repare em algo novo. Isso porque o nosso cérebro não percebe tudo ao nosso redor, já que ele precisa liberar “espaço” para armazenar outras informações importantes.

O futuro é uma ilusão

Por que as pessoas veem algo que nunca aconteceu? Por muito tempo, essa pergunta intrigou muita gente. No entanto, essa resposta está relacionada a nossa “ambição” de sempre tentarmos prever o futuro. Quando vemos alguma coisa, demora alguns segundos para essa informação chegar até o nosso cérebro. O motivo para não estarmos atrasados com relação à realidade atual é que a nossa mente está constantemente prevendo o futuro, baseado em informações passadas.

Os ilusionistas trabalham com técnicas fascinantes para manipular a atenção do público (Crédito: Iago Fundaro) 

Esse é um sistema extremamente inteligente, mas falho. Os ilusionistas acabam explorando as limitações de percepção das pessoas para realizar seus números. Imagine uma bolinha jogada várias vezes no ar. Seu cérebro se acostumou com esse movimento. Em um momento, o mágico não joga a bolinha, mas a mente do público, tentando prever o futuro, acredita que ela foi arremessada no ar e fica surpresa quando o objeto desaparece ao final do número.

O Ilusionismo é uma excelente ferramenta para revelar a potência do nosso cérebro. Além disso, é um ótimo caminho para tornar as palestras corporativas mais lúdicas e inovadoras. A partir de elementos lúdicos, é possível atrair a atenção do público e tornar a informação mais compreensível.